quarta-feira, 23 de março de 2011

Uma canção que ajuda! 22/03/2011


Hoje vou postar uma música que foi e é minha música de cabeceira no processo de dor pela morte de minha mãe.
O fato: dois anos e sete meses depois, já posso dizer que vejo o sol brilhar de forma mais completa. Às vezes não sinto seu calor de forma totalmente completa, mas só de poder vê-lo em toda sua beleza e sentir seus raios de comforto em muitas e muitas situações, já me me sinto mais feliz, mas curada. E isso é uma vitória porque...
 eu achei que ele nunca mais fosse brilhar de forma completa para mim (mesmo em meio a minha vida tão feliz de mamãe, mulher do meu Ni e filha do meu pai).
Hoje estou mais em paz mesmo achando que aquela leveza que sentia antes, nunca será recuperada de forma total. Mas estou bem. Não perfeita. Mas bem. Um dia de cada vez...

(Pra quem não sabe, perdi minha mãe aos 8 meses de minha segunda gravidez e tive um processo de luto tardio. Acho que foi por tentar preservar minha bebezinha dentro de mim e por tentar me dedicar totalmente a ela e sua irmãzinha mais velha no período de mais de um ano depois da morte de minha mãe. No final de 2009 e em 2010, a coisa pegou e só não enloqueci devido ao conforto do Pai, meu papel de mamãe de duas coisas lindas e preciosas, meu Ni, meu pai, minha terapeuta (durante quatro preciosos meses) e meu desejo de voltar a sorrir com o coração. Foi difícil? Sim. Ainda é? Sim. Minha mãe só tinha uma filha: eu. E apesar de sermos muito diferentes, estávamos juntas o tempo todo. Hoje em dia, algo só existe se eu conto para o meu Ni. Antes, tinha isso com minha mãe. Nos dois últimos anos, estávamos morando com ela e até hoje moramos na mesma casa. Foi muito difícil ficar na mesma casa. Agora só é difícil. Um processo. Um caminho a ser percorrido. Logo, logo, vamos reformar a casa. Logo, logo, vou mexer no seu guarda-roupa. Ainda não conseguia. Hoje sinto que estou ficando preparada. Tudo a seu tempo!)

Esse post de hoje é em homenagem a essa minha saudade, minha fragilidade, mas também minha força. É também para eu lembrar que o tempo pode sim me ajudar. É também uma forma de compartilhar com uma amiga de blog uma maneira de acreditar que tudo vai sim melhorar mesmo quando nos sentimos perdidos em meio a tanta dor de saudade.
Essa linda canção do Pato Fu me ajudou nesse processo. Acho que tocava e cantava essa música repetidamente durante muito tempo por muitos meses. Tinha sua letra colada na parede do quarto. E hoje em dia quando sinto que estou ficando frágil de novo, volto a cantá-la até conseguir acreditar em sua letra. Espero que possa ajudá-la também ou que ela encontre uma outra canção que possa ajudá-la a percorrer esse doloroso caminho. Demora, mas um dia o tempo volta a "correr macio", como diz a música, ou um pouco menos duro:

Um comentário:

arqcaryne disse...

Parabéns por estar superando mais esse desafio de tantos já superados! Felizmente não conheço essa dor (e nem quero!) mas imagino o tamanho que ela seja! Adoro essa música tb! Bjos