terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Carta para minhas menininhas: As perguntas sem respostas e a outra resposta! 18/01/2011



Queridas Ana Luisa e Ana Julia,

A mamãe está escrevendo essa carta hoje só para dizer que às vezes na vida, sem motivo aparente ou por milhões de motivos sem importância ou mesmo importantes, podemos nos sentir tristes, abandonados, não valorizados, não importante ou sozinhos...
Daquele tipo que quando ou se sumíssemos um pouco, quase ninguém sentiria nossa falta. Queria dizer a vocês que pode acontecer isso sim. Mesmo quando somos pessoas do bem. Mesmo quando ninguém acha que isso poderia acontecer com uma pessoa assim. Mas acontece! E queria que vocês se lembrassem que isso passa. Às vezes pode parecer demorar, mas tenham paciência, tenham fé e acreditem que isso passa. Passa sim! Curtam esse momento no sentido de se fortalerecerem. Mas cuidado para não endurecerem. Isso não faz bem a longo prazo. Não esperem demais das pessoas. Algumas valem a pena mesmo que possam nos decepcionar. Outras não! Desejo sabedoria para que vocês saibam diferenciar e se afastar silenciosamente desse último tipo. Sem alarde para não chamar atenção de quem não nos quer tão bem assim quanto possa querer nos fazer acreditar (ou que nós mesmos nos enganamos e nos levamos a creditar). Muitas pessoas amam tanto a si mesmas que nunca vão enxergar o outro de verdade. E assim são apenas consigo mesmas e, às vezes, também com seus membros familiares e só. E não há nada que possamos fazer. Aceitar ou como já disse antes, se afastar sem alarde. Nunca seremos perfeitos ao ponto de quase todos nos amarem,ou respeitarem, ou aceitarem sem condições. Bem, algumas pessoas parecem ter esse dom da perfeição. Mas não sei se, lá no fundo, tudo é tão perfeito assim. Algumas pessoas fazem alguma coisa especial ou mesmo qualquer coisa ordinária e todos parecem ficar embasbacados. Outras podem fazer até melhor, mas não chamam a atenção. Não sei direito o porquê. Mas acredito que possa vir da auto-propaganda constante, da segurança que passam ou porque sabem exatamente como manipular alguém, ou alguns, ou quase todos. Ou talvez seja porque agradam mesmo a alguns ou a muitos, do mesmo modo que desagradam a outros. E é tão difícil agradar todo mundo, não é? Mas saibam que isso tudo não importa. O que importa é nossa vida, o nosso coração. E de qualquer forma, sempre haverá altos e baixos na vida de todos. Mas tudo passa. Momentos bons e momentos ruins. Por isso, aproveitem da melhor maneira o riso e a leveza da alma. Por isso, não se desesperem quando se sentirem pra baixo. Isso passa também. Entrem em contato com o eu de vocês, dêem chance para a força florescer, mas não se esqueçam de saber quando sair para ver se o sol já voltou a brilhar. Muitas vezes, podemos estar perdendo um dia lindo de sol. E nunca se sabe quando podemos voltar a sorrir com o coração. Só sei que se não tentarmos, nunca saberemos.

Com carinho,
Mamãe Luciana

P.S. Nunca haverá alguém que as ama e quer a felicidade de vocês como a mamãe e o papai (ou vovôs e vovós). Vocês são nossos raios de sol eternos. Família deve ser sempre um porto-seguro. E desejo que vocês saibam amar, respeitar, aceitar e abraçar esse presente que a vida deu para vocês: a oportunidade de serem irmãs.

Um comentário:

Ana Paula disse...

Lu...vc foi mais que feliz nessa postagem...muito embora a gente possa sentir um fio de dor e tristeza em suas palavras...vc conseguiu ensinar a suas filhas como não deixarem o mundo machucá-las e principalmente, resolver essa situação sem esfriar o coração.
Parabéns...