sábado, 18 de outubro de 2008

Rotina de mãe! 18/10/08_Três semanas da Ana Julia!


Quando eu era mais nova, sem filhos, família e tal, normalmente havia conversas assim:

-"Ah, eu hoje acordei cedo, mais ou menos 9 horas!"
(cedo? pergunto eu hoje em dia)
-"E você?"
-Eu acordei super tarde, depois do meio dia! Mas estou morrendo de sono ainda!"
(eu atualmente me pergunto: ainda com sono, como assim?)


E como seria essa conversa entre duas mamães com recém-nascidos em casa e ainda com uma outra criancinha para cuidar?
O que dizer quando me perguntarem se acordo cedo ou tarde?
Como saber se a hora que foi supostamente dormir não será apenas só um cochilo antes do próximo momento de se levantar?
Como saber se acordou cedo ou tarde se o bebê acorda a cada três horas? (para quem tem sorte).
Então se o bebê acorda `as 3 da manhã, eu diria que acordamos cedo, não é?
Mas a questão é que por sorte voltamos a dormir e acordamos de novo às 6, assustados com o choro do bebê. Fazemos tudo que tem que ser feito e depois de um breve cochilo acordamos de novo às 7 porque o filho mais velho também acordou.
Se alguém nos ajuda a cuidar do filho mais velho, voltamos a dormir, mas pode ter certeza que assim que fechamos os olhos, coincidentemente o bebê acorda de novo e fazemos tudo que tem que ser feito de novo.
Depois de um tempo voltamos a dormir e acordamos de novo, e dormimos de novo e quando se vê já é quase hora do almoço. (se você tem alguêm que te ajude, é claro)
Então nos levantamos.
Mas e aí?
Podemos dizer que acordamos cedo ou acordamos tarde?
Podemos dizer que acordamos ou nem fomos dormir de verdade?
Podemos dizer que acordamos mesmo ou é tudo um sonho de tanto sono?
Ser zumbi não é privilégio de poucas mães de recém-nascidos, todas são!
E quando se tem filhos mais velhos, mas ainda pequenos, tudo se intensifica porque eles estão sempre a mil por hora e querem a nossa companhia.



Por aqui, tudo mais ou menos assim:

A Ana Julia é um amorzinho, só chora quando tem fome ou precisa trocar. Mas isso acontece a cada duas ou três horas, então a nossa vida gira em torno dela.
Ela está maiorzinha, com 16 dias, ela estava com 4,550 kg e 53 cm. (Hoje ela faz 21 dias)
Mas eu olho para ela e parece um pouco magrinha. Deve ser porque é grande.
Ela está ficando acordada um pouco mais e está interagindo mais. Ainda vive em seu mundinho, mas me reconhece e quer ficar no colo na maior parte do tempo que está acordada. E gosta que a gente ande com ela por aí, quando está no colo.
Sei que alguém já vai dizer que a estamos acostumando mal, mas prefiro acreditar que estamos dando o que ela precisa neste momento, carinho e atenção.
Ela está um fofura! Sei que palavra de mãe não vale, mas está uma lindinha sim!



A Ana Luisa está mais do que nunca a mil por hora. Apaixonada pela irmã como nunca. Quer pegar, tocar, agarrar, segurar, abrir os olhos, colocar a mão dela na boca da irmãzinha e dizer que ela mordeu e dar gargalhadas com isso.
Quer brincar de colocar um paninho no rostinho da irmã e brincar de esconder e achar a irmãzinha. Que medo que isso dá! Mas não adianta dizer não, dizer que essas coisas são perigosas, que não pode, porque ela não entende totalmente e fica brava ou magoada e volta a fazer com mais vontade ainda. Bem, se fica magoada, deita no chão, olha de lado e faz beicinho como se fosse chorar até que a gente venha dar consolo para ela. Aí a gente explica que pode machucar, etc, etc. Mas depois de três segundos, quer ficar perto da irmãzinha de novo.
A Ana Luisa andou muito cedo. Começou a andar com 9 meses, mas demorou a falar. Entendeu tudo bem cedo também, mas ainda hoje não podemos dizer que ela fala como muitos da sua idade. Mas definitivamente fala bastante, nós é que não entendemos tudo :)
Brincadeiras á parte, ela tem falado muito mais depois que fez dois anos. Ela está agora com dois anos e três meses e tem nos surpreendido com suas palavras. Ainda tem um longo caminho pela frente, mas aqui em casa, não apressamos nada, a natureza é sábia e tudo tem seu momento certo.
E ela ainda usa fraldas. Não vamos apressar esse processo também. Quem sabe agora nesse próximo verão, seja o seu momento. Vamos ver!



Resumindo: as duas nos cansam sim, mas nos enchem de alegria também. E na mesma proporção do cansaço. Sendo assim, posso dizer que é uma alegria mais do que IMENSA!


Mas lembram que eu falei no início sobre o maior problema de uma mãe de recém-nascido e criança pequena, o sono?
Bem, cheguei a uma conclusão com relação à hora que acordo pelo menos.
Vou começar a dizer que acordo tarde se alguém me perguntar.
Quem sabe assim, meu cérebro acredita nisso e eu passo a sentir menos sono. Afinal de contas, dizem que o cérebro é poderoso e se eu acordo tarde é sinal de que dormi mais, não é?

Mas ainda tenho outra dúvida:
Que horas podemos tirar o pijama?
Ou é melhor ficar de pijama mesmo?
O conselho que mais recebemos é que devemos dormir também na hora que o bebê dorme. E um bebê recém-nascido dorme em torno de 18 a 20 horas por dia.
Bem, sendo assim, acho que vou ficar de pijama o dia inteiro, assim não tem o perigo de me confundir!


Não sei se é a falta de sono que me confunde, mas eu amo ser mãe! Amo muito!
E que seja assim, que eu fique confusa assim para o resto dos meus infinitos dias com minhas crias.
Abraços!

Nenhum comentário: