quinta-feira, 23 de julho de 2015

20/07/2015 - Volta às aulas

FB/IG - Julho 2015

E lá foram elas para mais um semestre. Hora de ter hora, de colocar uniforme, de sentar por mais tempo do que gostam e precisam, hora de estudo, tarefas e provas, mas ao mesmo tempo hora de ficar junto com os amigos tão especiais, rever professores e funcionários que as tratam tão bem, ter desafios, aprender coisas novas, perceber que conseguem superar seus conhecimentos, hora de fazer historia e construir lembranças. Boas lembranças. Bom semestre menininhas!

17/07/2015 - A saudade

FB/IG - Julho 2015
Dia normal. Dia calmo, mas de obrigações. Dia de altos e baixos. Dia de sonhos para o futuro. Dia de sonhos passados. A menina sai de casa quase no final da tarde. Precisa comprar uma calça. Precisa ir ao mercado. Precisa ficar a sós com os seus botões. Encontra a calça. Fica feliz. Encontra o que precisa no mercado. Que bom. Resolve passear um pouco pelo shopping. Encontra uma blusa linda que não estava precisando, mas que a deixa tão bonita. Resolve comprar. Decide ver sapatos. Não vai comprar nada, mas qual mulher não gosta de ver sapatos? Experimenta alguns, mas não compra. Continua olhando. Olha mais um pouco e quase no fundo da loja vê um par de sapato que chama sua atenção, Seu coração gela. Ela decide seguir em frente. Vai até o fim do corredor, mas decide voltar. Tem que enfrentar. Não pode fugir. Ela volta. Olha calmamente o sapato. Um tamanco lindo. Não é o seu gosto. Nunca foi. Não sabe se nunca vai ser, mas isto não importa. De repente, ela olha o sapato e vê sua mãe ali do seu lado apaixonada por aquele tamanco. Ela, a mãe, não sabe se deve comprar ou não. Afinal, já tem tantos. Mas é claro que ela irá comprar. Afinal é a sua cara. E então, as duas saem da loja de mãos dadas conversando sobre o que viram, sobre algum assunto pendente, sobre algum plano ou sonho e decidem ir comer algo. No caminho, discordam de algum assunto, mas logo ficam de bem. A mãe pede um café e a menina um sorvete. E ficam horas ali fazendo nada de especial, mas ao mesmo tempo tão importante. E de repente, o circulo se completa novamente e tudo faz sentido por total. Mas mais de repente ainda, alguém pede licença e a menina percebe que ainda está parada ali em frente daquele sapato. Sem sua mãe. Sozinha. Decide ir comer algo. Sente um vazio que infelizmente é um amigo que aparece e some há exatamente 2523 dias. O que dá quase 7 anos de saudades. (Mãe, queria tanto, mas tanto que você estivesse aqui comigo. Com todo mundo. Ia ser tão bom, tão reconfortante, tão ordinariamente especial. Saudades!)

domingo, 12 de julho de 2015

08/07/2015 - Aniversário de 9 anos da Ana Luisa

Foto FB/IG - Julho 2015
Topo do mundo

Diz quanto custa o seu sorriso
Diz quanto custa o seu amor
Faço tudo que preciso for
Faço o que for preciso
Eu pulo do alto da torre
Só por você
E subo no topo do mundo tentando
Encontrar, seu olhar
Riqueza nem ouro eu tenho a oferecer
Só tenho no peito o tesouro guardado
Pra te dar, te amar
O que você quiser tem em mim
Tudo que há em mim eu te dou
Tudo tudo tudo
Tudo tudo tudo, amor


Escutei esta música pela primeira vez quando estava grávida dessa menininha, que está quase uma mocinha agora. Meus olhos se encheram de lágrimas porque ela dizia tudo aquilo que eu já sentia por ela. 

Nesses 9 anos, posso dizer que a fase da paixão linda e cega já passou e que o que sinto por ela é aquele tipo de amor mais maduro, que vê as diferenças, que vê os supostos defeitos, que tem seus altos e baixos, brigas e acalentos, mas que entende que ali existe um outro ser humano, que entende que ela é diferente de mim e que não me pertence, no sentido de que não sou sua dona, pois tem seus sonhos e desejos próprios, mas que pode e deve saber que pode contar comigo e com sua familia pra tudo: pra carinho, colo, apoio, aconchego, limite e muito amor! 

FELIZ ANIVERSÁRIO, minha menina! Continue como é! Continue a querer viver como se estivesse com muita sede de viver bem e com alegria! Feliz 9 anos! 

07/07/2015 - Relembrando

Foto FB/IG - julho 2015
07/07/06. 18:00 horas. Termino a consulta e, enquanto eu me arrumo, o médico já me espera com o Ni: "Agendei para amanha cedinho sua cesárea!" Levo um susto e após a explicação, aceito que esse bebezinho de 42 semanas, tinha que vir ao mundo dessa maneira. Tinha medo, mas sempre sonhei com a bolsa estourando, ir correndo para o hospital, a dor da contração, essas coisas. Não tenho a mínima ideia de como seria. E nunca saberei. Mas aprendi a aceitar esse fato. A noite foi de muita ansiedade. Na manhã seguinte, nós finalmente iríamos saber se aquele bebezinho que tanto se mexia dentro de mim era um menininho ou uma menininha. Nem nome escolhido definitivamente nós tinhamos. Só sabíamos que já éramos apaixonados por ele ou por ela. Tive medo da anestesia, tive medo da cirurgia, mas quando chegou a hora só pensava em conhecer nosso bebezinho. E aí, o bebezinho chorou. Eu chorei junto, o Ni chorou junto também e no meio daquela emoção toda, eu não conseguia entender se era um menino ou uma menina, mas aí chegou pertinho de mim a minha menininha, a minha bebezinha. Que emoção! Minha vida tinha se modificado drasticamente. Um serzinho sem nome ainda tinha me modificado para sempre. Eu tinha começado a ser mamãe na vida real e não só nos meus sonhos. Me senti plena e completa. Ela ainda ficou sem nome por mais algumas horas. Quando eu e o Ni ficamos sozinhos, decidimos que cada um pensaria nos nomes já antes conversados e escolheríamos qual tivesse a sua carinha. Sem planejar e sem saber, escolhemos o mesmo nome e assim aquele bebezinho foi chamado de ANA LUISA no dia 08/07/06.

04/07/2015 - Noite especial

Foto FB/IG - Julho de 2015

Mamãe e filhinhas em noite especial!

Ontem foi a apresentação anual das turmas kids para os pais e famílias. Minhas menininhas já participavam dessa data antes mesmo de nascerem. E desde que começaram a estudar inglês, elas têm se apresentado. Fiz parte da PBF de forma integral por 25 anos de minha vida. Anos de muito trabalho e muita disposição em dar o meu melhor a nossos alunos. Hoje em dia não faço mais parte diretamente de lá, o foco agora é minha familia, mas meu DNA está por lá em cada objetivo traçado e indiretamente sempre estarei presente. Considero a escola como meu primeiro bebê e me emociono por cada passo dado. Ontem foi dia de ficar saudosista! 

Parabéns equipe PBF!

04/07/2015 - Último dia de aula (férias de inverno)

Foto FB/IG - Julho de 2015

E chegou aquela primeira época do ano tão esperada: ferias!!!!! Ontem foi o último dia de aula. Elas amam a escola, mas a oportunidade de "não fazer nada" é muito estimulante. Não ter horários, fazer as coisas ainda mais no seu ritmo, não ter que ter hora para parar brincadeiras e diversão nos deixa mais leves e com mais fôlego. E a mamãe aqui (caxias e exigente durante as aulas) também prefere essa fase sem horários, sem tarefas formais, sem provas, sem compromissos... Só nós e assim nos bastamos! Viva a criatividade e ócio total dessa fase!

Julho de 2015

30/06/2015 - Hora de dormir

Foto FB/IG - junho de 2015

Elas sempre tiveram dificuldade para dormir. Desde bebezinhas. Era carinho, acalento, passeios, colo e tudo mais. E mesmo assim demoravam. Não sei se sofri muito. Sinceramente, se foi uma fase difícil, não ficou cicatriz. E se eu pudesse ter outros filhos e passar por tudo de novo, não ficaria desesperada. Tudo passa. A mágica primeira infância voa. A menininha maior já dorme a noite inteira já faz quase 4 anos, mas a menorzinha, com 6, ainda acorda de madrugada e vem pra nossa cama. Não incomoda. Chega quietinha, dorme rapidinho. Às vezes, nem percebo. Mas algo não mudou. Elas querem acalento na hora de dormir. Querem companhia. Hoje em dia, elas dormem cedo e essa é a hora da historinha, ou da música de dormir, ou das conversas do dia, dos sonhos, das tristezas, do futuro e da oração. Ou tudo junto. Às vezes, eu não quero ir. Por preguiça, necessidade de ficar quietinha comigo, ou sufocada por duas menininhas que nessa fase de vida me sugam muito mais do que antes. Mas me sinto culpada e lá vou eu. Às vezes vou brava e acabo nem curtindo direito esse momento, mas na maior parte do tempo, vou não só por ser minha obrigação, mas por ser um privilégio que sei que não vou ter desse modo quando elas crescerem. PS: Normalmente eu fico deitada entre as duas, mas como estou ainda bem gripada, tenho ficado meio longe, mas por perto. E olha quem queria companhia também e apareceu por lá: a gatinha. Ficar junto é sempre bom!

28/06/2015 - Mamãe dodói

Foto FB/IG - Junho 2015

Fazia ANOS que eu não ficava adoentada. Junho foi o mês escolhido. Dois fins de semana adoentada de leve e agora já estou há vários dias direto assim. Esse é o quinto dia. Dia 5 de 'mal estar'. Dia 5 do 'quase mesmo modelito'. Dia 5 de 'ficar o tempo todo em casa'. Dia 5 de 'chás, xaropes, vitaminas e remédios'. Dia 5 do 'da sala para o quarto' e do 'quarto para a sala'. Nada grave, eu sei, mas coisa chata, hein? E como (mil vezes como) dá MAIS saudade ainda de mãe. :(

Mas vamos lá. Vamos tentar focar só no lado positivo: Ainda bem que tenho meu pai para ajudar a levar as meninas por aí, ainda bem que o Ni, mesmo sem tempo, me deu colo e carinho, e principalmente, ainda bem que foi antes das férias das menininhas.

27/06/2015 - Simulado cedinho na escola

Foto FB/IG - Junho 2015
E não é que passou quase 4 meses desde a ultima foto? Mas a vida continuou forte por aqui: fora as coisas do dia a dia, elas terminaram as provas, começaram outro bimestre, começaram outras provas e terminam hoje com o simulado semestral. Cedinho na escola! 

Elas estudam a tarde. Então todo dia de manhã quando elas não acordam cedo sozinhas, tem despertador. Mamãe tem o toque da música HAPPY e sempre toca 1 vez inteira pelo menos para eu ver alguém começar a abrir os olhos. Nem beijo, nem cosquinha, nem nada consegue antes. Hoje foi diferente. Não deu nem 3 segundos e já estavam em pé, se trocando e prontas. E nem era 07:10 ainda. O que? Ah, a novidade! Se soubesse tinha acordado pelo menos 7:30. Teria dado tempo! :)  

PS: Primeiro simulado da vida da pequena. Ela está tão orgulhosa! 

PS 2: Papai está ocupado. Mamãe está doente de cama (gripe forte, alergia, laringite, sei lá mais o que já faz uma eternidade), então entra em ação o vovô que está de chofer delas desde quarta-feira. Ele sempre ajuda, mas sempre reclama. É o jeito dele: reclama, mas gosta de ajudar. Desta vez, não tem reclamado. Nadinha. Devo estar bem doente mesmo!

Junho de 2015

Maio de 2015

Abril de 2015